quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Considerações sobre Céu e inferno



 (...)
The tolling of the iron bell
Calls the faithful to their knees
To hear the softly spoken magic spells

(Time -Pink Floyd)


É difícil de acreditar nas coisas que aconteceram hoje, por outro lado, deixaremos isso de lado, o que importa mesmo é o assunto que quero abordar.

Céu e inferno existem? Os poucos que me conhecem sabem que eu não acredito no Deus cristão que a Bíblia prega, ou também qualquer deus do panteão ou qualquer deus monoteísta. Por que digo essas coisas? Por que sempre associado a essa ideia de Deus sempre vem a idéia de inferno.

Seria satisfatório, por outro lado, pensar que o inferno existe. E que boa parte (se não a maioria) dos políticos poderiam ir para lá. A gente nasce, cresce, se desenvolve e somos diariamente obrigados a pagar impostos que são convertidos em dinheiro publico e que no final acaba virando banheira para deputado... Essa é a nossa vida. Particularmente, nesse caso especifico, dou total credibilidade no inferno. Mas somente para este caso.

Sabemos que nada disso existe. Sabemos que o céu como os religiosos pregam não existe. O paraíso, uma idéia tão bem elaborada da fuga da experiência de viver a vida que hoje em dia é difícil você convencer alguém a deixar a sua crença num mundo melhor para viver este mundo.

Mas o mundo, este a qual me refiro, esta contaminado. Totalmente sujo de crueldade. Basta ver os noticiários da TV que verão o qual perdido estamos na maldade. Maldade acaba rimando com sociedade. E é na sociedade que se encontra o mal.

Fora da sociedade ainda resta a natureza. Natureza que o homem decidiu ignorar. Com suas grandes invenções criou condições de viver de modo civilizado, diferente de quem vive em meio a natureza. Eis que se cria a cidade. Cidade! Cidade! É o local onde mora toda a sociedade. Fora dela temos mato, floresta, pântano, deserto, etc. As mais variadas forma de natureza possível. Dentro da sociedade temos as classes, os grupos, os clãs... temos o marginal na cidade e o selvagem fora da cidade.

Com tanta história pra contar, eu acho que no mundo de hoje, esse mundo “pós-modernos”, não cabe mais espaço para ter medo de inferno. Se bem como disse acima que seria ideal que certos parlamentares fossem direto para lá. Sem direito de ser julgado numa instância privilegiada.
Como não tem espaço para essa grande divisão de valores divinos (céu e inferno) resta a nós acreditar na mudança. Na transformação dos valores e na crença de que um dia tudo vai mudar para melhor. Escolas serão erguidas, hospitais serão construídos, pessoas viverão felizes. E tudo isso num mundo onde não se tem mais esperança na criatividade do homem. Num mundo onde as magoas não são consoladas. Numa utopia se querem saber.

Nós somos cruéis com nós mesmo. Vemos pessoas como nós morrerem por ai. Terem suas vidas arrancadas pelas mãos de jovens com arma na mão. Nós somos cruéis ao ponto de ver o noticiário da TV, saber que a vitima morreu logo após o disparo da arma, e levantar no outro dia pronto para ir para o trabalho se comportando como se nada ocorreu, como se nada tivesse acontecido. Não foi com você e nem foi comigo, mas somos talvez a próxima vitima desse mundo que transformamos num inferno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário